sábado, 3 de setembro de 2011

Como definir metas de vida


Como definir minhas metas de vida?, foi uma pergunta que ouvi certo dia num curso de que participava. Muito foi dito naquela ocasião, mas nenhuma conclusão definitiva foi tirada no evento (ao menos até eu me retirar). E é uma pergunta que ouço muito, que me faço as vezes. Afinal, como sabemos exatamente o que queremos fazer de nossa vida? E a resposta…


… parece estar na direção em que muitos não estão seguindo. A maioria das pessoas vai vivendo a vida: deixa a vida me levar… E depois, passados anos, se queixam ou se questionam de que não queriam aquela vida, de que não queriam aquela profissão, etc.


Todos temos nossas crenças que trazemos desde a infância. Fomos educados, treinados, direcionados a seguir certos preceitos que nos foram passados. Por decisão de quem passou ou porque aprendemos com os exemplos. Quem nos passou crenças que nos limitam o fez por maldade, com o propósito de nos prejudicar? De forma alguma, me atrevo a dizer. Foi por acreditarem estar fazendo o correto. Era naquilo que elas acreditavam.


A minha sugestão, então, é que busquemos respostas para nossas angústias , dúvidas, curiosidades. Para quem está ainda no início da caminhada, é mais fácil. Para quem já se sente cansado, muito mais provocativo. Na verdade, diria eu, somente quem tem coragem faria isto, faria-se as perguntas que sugiro a seguir.


Se não sabemos o melhor caminho, se não sabemos nossa vocação, se não sabemos traçar nossas metas de vida, devemos começar por questionar o que estamos fazendo hoje, no agora. Este já sará um bom método de entendermos se estamos ou não no caminho. E uma forma de alinhavar as linhas que construirão o verdadeiro caminho que devemos ou queremos seguir.


Faça-se as seguintes perguntas:


1. Se você não precisasse trabalhar para seu sustento, o que faria como sua melhor ocupação, aquilo que lhe daria prazer em fazer? Imagine que alguém está disposto a lhe pagar o que Você já ganha hoje, ou até mais, para Você fazer o que mais gosta. O que seria?


2. Se Você pudesse escolher (e pode), se não tivesse desculpas ou entraves em sua vida, Você moraria na cidade em que mora? Dirigiria o carro que dirige ou andaria nas conduções em que anda?


Feito isto, Você já se conhecerá um pouco melhor. E saberá, talvez, que gostaria de viver em outro lugar e fazer outras coisas.


Agora siga para as seguintes questões:


3. Seguindo o caminho que Você vem seguindo, tente traçar uma projeção de como será sua vida daqui a dez anos. Onde estará, com quem, fazendo o que.


Feito isto, pense: Isto lhe agrada? Reflita muito sobre isto. É onde sua atividade e modo de vida atual vai lhe levar. É isto que quer? Ficará feliz estando lá? Ou seja, ver seu futuro assim desenhado lhe deixa feliz hoje?


E Você poderá (e deverá) seguir ainda com as seguintes…


Questões esclarecedoras


4. Se o medo de falhar, de fracassar, de passar por situações vexatórias ou ridículas não lhe assombrassem, o que Você faria hoje para mudar seu rumo? O que faria de sua vida?


Para finalizar esta seqüência e dar-lhe um rumo claro:


5. O que Você sabe que faz melhor do que ninguém? E que lhe dá imenso prazer em fazer? Aquilo em que, quando se envereda, fica feliz, extasiado, faceiro como guri comendo rapadura?


Este roteiro de perguntas, de auto-perguntas, é algo que pode doer, sem dúvida. Mas que pode clarear a vida de cada um. Muitos de nós passam a vida levando os dias sem nunca se questionar porque motivos não mudou antes. E acaba ficando a se perguntar e não muda no agora também.


Exercício


O que fazer então? Escreva estas perguntas numa folha, num caderno, na sua agenda. Leia-as todos os dias, nos momentos em que esteja só e apropriados a parar e pensar um pouco. Leia as perguntas e pergunte-se, profundamente, pelas respostas. E as espere. Não há pressa. Não saia respondendo assim d imediato. Deixe sua mente profunda lhe dar respostas. Tenha calma.


Vá fazendo as perguntas uma a uma durante um tempo. Ou faça as duas primeiras num momento, tendo as respostas, passe para as demais, gradativamente. Pergunte-se antes de dormir, por exemplo, naquele momento em que pode estar a sós consigo mesmo. Faça a pergunta e durma com ela. Ao receber alguma resposta, anote-a e leve-a a sério.


As suas respostas podem lhe colocar exatamente onde está e fazendo o que faz. Excelente! Você é, certamente, feliz em sua vida, faz com alegria suas atividades de trabalho ou lazer e vive uma vida boa.


Porém, para quem não está no caso acima, a verdade é bem outra. E eu sugiro: Não passe sua vida em branco, não vá levando seus dias, não deixe a vida lhe levar. Não há tempo para começar nada, tudo está no tempo certo.


Tendo, pois, coragem de seguir o roteiro e o encarando de frente, se não está no lugar que queria hoje e/ou se não estará em dez anos, comece a traçar planos de mudança. A resposta está naquela que Você descobrirá para a última pergunta. Ela é que pode ser seu caminho. Você fazendo o que gosta, o que sabe fazer melhor, o que lhe dá prazer, Você fará com alegria e muito amor. Tudo o mais virá de roldão. Eu disse, tudo o mais. Acredite, tenha fé!